Museu São João Marcos
FavoriteLoadingAdicionar aos Favoritos
Estrada RJ-149, Km 20 - anuncio-em-destaque RJ

São João Marcos foi criada em 1739, a reboque da primeira estrada de rodagem do Brasil, a Estrada Imperial, que cortava a cidade. No final do século 19, auge da produção cafeeira, com muitas fazendas do poderoso Joaquim José Breves em seu entorno, já tinha 20 mil habitantes. Com o fim do ciclo do café, veio a decadência.

A cidade foi incorporada ao município de Rio Claro em 1938 e no ano seguinte, data de seu bicentenário, tornou-se a primeira cidade do Brasil tombada pelo Insituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Em 1940, porém, decreto do presidente Getúlio Vargas cancelou o tombamento da cidade, para acelerar as obras de ampliação da Usina Hidrelétrica de Ribeirão das Lages e resolver o problema de intensa falta d’água sofrida pela capital.

A cidade natal de Ataulfo Alves, Pereira Passos e Fagundes Varela foi desocupada e destruída primeiro por dinamite e depois pelas águas da represa, em 1949. As construções foram demolidas antes de a água invadir, para evitar possíveis retornos. Parcialmente submersa por 10 anos, a cidade ainda é sujeita a alagamentos na época das chuvas.

O patrimônio foi sacrificado, mas ainda podem ser vistos partes de muros de contenção da Estrada Imperial e pontes em arco. Restos da igreja matriz de São João Marcos, frequentada pelos ricos da cidade, e da igreja de Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito, reservada aos pobres e negros e com um cemitério nos fundos, também são bastante visíveis.

Quem faz o circuito de visitação do Parque, com 33 mil metros quadrados, sente no ar a força da história. O museu exibe uma maquete da cidade e os artefatos achados nas escavações. Parte da reserva técnica do museu serve como equipamento cultural de Rio Claro, com exposições sobre a região e palestras. O Parque conta também com um anfiteatro com 250 lugares. E o visitante pode se emocionar assistindo ao documentário A História de São João Marcos, de Kadeh Ferreira, com depoimentos de quem viveu na cidade.

Ex-morador de São João Marcos, Sebastião Fonseca, de 84 anos, o Seu Dedeco, não contém as lágrimas ao lembrar dos momentos felizes vividos na cidade antes de ela ser submersa. Ele tinha apenas 12 anos quando sua cidade natal foi destruída. “Saudades da minha mãe”, justifica, olhando a terra onde quer ser enterrado quando morrer.

O Parque está inserido na área de proteção ambiental da Represa de Ribeirão das Lages, com cerca de 930 mil metros de área remanescente de Mata Atlântica, representando um dos maiores patrimônios ambientais fluminenses.

As Ruínas do Sítio Arqueológico São João Marcos e a Ponte Bela na Estrada Imperial foram tombadas pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), em 1990.

SERVIÇO
Endereço: Estrada RJ 149 (Rio Claro- Mangaratiba), Km 20 – Rio Claro, RJ
Telefone: (21) 2233-3690
Email: contato@saojoaomarcos.com.br
Site: http://www.saojoaomarcos.com.br
Horário de Funcionamento: Qua a sex, das 10h às 16h. Sáb e Dom, das 9h às 17h.